O corcunda de Notre Dame por Victor Hugo

Nossa! Victor Hugo é indescritível! Não dá pra não ler….

Voltando ao romance, Notre Dame de Paris, também conhecido como “O Corcunda de Notre Dame”, que foi escrito em 1831, narra a trama ocorrida em 1482 em Paris, tendo como personagens principais a Catedral de Notre Dame e seu sineiro, Quasimodo.

Quasímodo foi encontrado, numa banca de madeira do adro da igreja, muitas pessoas o viram, porém ele era muito feio, disforme, ninguém o quis levar para casa, nem pensar em adota-lo, quem o fez foi o padre Claude Frollo.

Quasimodo era um homem deformado por uma enorme corcunda, que só possui um olho e é surdo devido ao barulho dos sinos. O único “amigo” de Quasimodo é Claude Frollo, arcediago da catedral que o adotou quando criança, um homem que por detrás do falso moralismo, possui uma personalidade vil e déspota, uma tranqueira para ser bem sincera.

Enfim, durante o Festival dos Tolos, Quasimodo que é eleito o papa dos tolos, devido à sua feiura, é acusado de ter tentado sequestrar Esmeralda, uma bela cigana por quem Frollo é apaixonado.

Esmeralda, uma menina de 16 anos, vivia com um grupo de parias, e havia sido sequestrada, quando ainda bebê, supostamente, por um grupo de ciganos. Esmeralda sempre acompanhada da sua cabra Djali, apresentava na praça a dançar e dessa forma conseguia alguns dinheiros para sobreviver. Henriet, a louca deGudule, é a mãe de Esmeralda, elas se encontram, pois, a menina carrega um saquinho onde guarda um pé do sapatinho que usava quando bebê, na época em que foi sequestrada.

O Corcunda é condenado a levar chibatadas publicamente, essa é a parte que eu achei a mais triste, cruel, injusta e revoltante, ele também é totalmente ignorado por seu “protetor” quando pede ajuda, mas Esmeralda compadece-se dele dando-lhe água, fato este que faz com que se apaixone perdidamente por ela.

Nesse tempo acontece outro fato, Febo, um jovem soldado por quem Esmeralda é apaixonada, é esfaqueado por Frollo que acusa a jovem cigana pelo crime. Esmeralda é então presa e condenada. No momento de sua execução pública, ela é arrebatada por Quasimodo e levada para dentro da Catedral, fazendo com que uma multidão de amigos seus tente resgatá-la, apesar de Quasimodo lutar com uma força sobrenatural Esmeralda é capturada e finalmente enforcada, isso no livro, no filme acho que ela sobreviveu, não me lembro, pois fiquei muito focada no Corcunda.

Essa parte é legal, quando Quasimodo vê o arcediago rindo da sorte da pobre moça mata-o e se suicida. Penso que o maior canalha dessa história é o capitão Febo Châtaupers que podia ter salvo a vida de Esmeraldo, mas absteve-se, covardemente, e sendo assim, foi, indiretamente, responsável pela morte de Esmeralda e Quasímodo.

Anos mais tarde os esqueletos de Esmeralda e do corcunda são encontrados abraçados.

O autor escreveu esse romance em 1829 quando assinou um contrato para escrever um romance histórico tendo como palco a monumental catedral de Notre-Dame. Tudo começou com a visita do Victor Hugo a igreja de Notre-Dame e encontrou uma palavra com grafia grega ( ANATKH), cujo significado é FATALIDADE, foi essa, a palavra que deu origem ao romance.

Em 1482, quando se passaram os fatos dessa história, Paris era já uma cidade gigante, ela era o conjunto de 3 cidades completamente distintas e separadas, cada uma com sua fisionomia, sua especialidade, seu modo de vida, seus costumes, sua história: a Cite, a Université e a Ville.

Sem dúvida, na Paris do séc. XV, a igreja de Notre-Dame era imponente, majestosa e sublime, sendo o início da construção por Carlos Magno e Felipe Augusto, a completou.

Segundo Victor Hugo, o amor, muitas vezes pode ser letal para o ser humano, pode levar ao paraíso ou despertar o que há de pior no ser humano. O amor quando não é correspondido leva a loucura e desperta todo ódio contido dentro da alma.

Quasímodo, o único com sentimentos, verdadeiramente puro, prefere morrer junto de Esmeralda, ela por sua vez, prefere morrer que aceitar o amor do padre Claude Frollo, este por sua vez, prefere vê-la morta já que não o aceita. Eis o amor para alguns, não para mim…

Dito isso, esta obra fabulosa fala das diferenças humanas, paixões e ambições tornando-se totalmente desnecessário dizer que é inesquecível e deve ser lida por todos.

Boa leitura e bom filme!

Adicione um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo está protegido !!
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.