Mauá, empresário do império por Jorge Caldeira

Obra excelente, nele conhecemos um grande empresário ou o primeiro brasileiro que aprendeu como ninguém a lidar com o comércio e o dinheiro. Uma biografia de um autêntico empreendedor, como era, como vivia e o que queria Irineu Evangelista de Souza, o Visconde Mauá. Um gaúcho fascinante.

Visconde Mauá construiu muitas coisas que fizeram o pais progredir e se modernizar. Porém seu ímpeto foi bloqueado e muito mais do que ele queria construir no país foi impedido pelo governo.

Um livro incrivelmente rico em retratar o legado cultural do comportamento econômico e empresarial do Brasil.

Na narrativa podemos perceber que o desejo de acesso ao poder não para desenvolver o país e sim para preservar o status e os ganhos atuais de um grupo de interesse, a briga ideológica se sobrepor ao bem do país, a desconfiança ao invés da admiração do sucesso gerado pela genialidade individual, a criação da aversão ao lucro como medida de sucesso e desenvolvimento, o uso de tecnologia e inovação, a internacionalização como opção de multiplicação de riqueza, o custo e o peso de não desenvolver culturalmente a população e de inibir o livre debate, o peso e o custo da interferência Estatal e o questionamento de suas boas intenções, e também as consequências de uma proximidade demasiada com o Governo, tudo isso em nome do individualismo e ignorância.

Neste livro vemos mais um capítulo da triste história brasileira. Fazendo um paralelo com os EUA, país perfeito para se comparar com o nosso, pois tem quase a mesma extensão, idade, quantidade de recursos naturais, etc., vemos que, enquanto o Brasil foi colonizado para servir de fonte de riquezas a Portugal, sendo totalmente dependente do governo em todos os momentos de sua existência, criando-se um obstáculo quase intransponível à liberdade individual, os EUA foram o fruto de uma associação de seus cidadãos, formando comunidades fortes, dentro de cidades semi independentes, Estados autônomos e, por fim, um país heterogêneo, com o poder dividido, uma sociedade civil firme dando oportunidade à livre iniciativa, livre movimentação do capital, de ideias.

Mauá tentou em vão mudar nosso destino, mas a eterna corja política e os demais donos do poder o impediram, como continuam impedindo o Brasil de sair do lamaçal que sempre esteve.

Mauá foi o primeiro empresário do Brasil Império, ele lutou muito contra as forças poderosas da época, sempre com honestidade, muito esforço, trabalho e estudo. Vale a pena conhecer esse grande homem. Um personagem cativante da nossa história, extremamente injustiçado, e infelizmente desconhecido do povo brasileiro.

Nesta obra encontramos pioneirismo, intrigas, guerras, escroques e reis; a trajetória carreira do visconde de Mauá (1813-1889), uma obra completa, teve de tudo. Para criar e montar a primeira indústria, um grande estaleiro e uma fundição em Niterói, a primeira estrada de ferro e o primeiro banco a operar em grande escala no Brasil, ele teve de brigar contra uma sociedade provinciana, que considerava o feitor de escravos como o melhor gerente de recursos humanos.

Quando expandiu seus negócios em escala planetária, com dezessete empresas em seis países, aí sim vieram os grandes adversários. Banqueiros internacionais, ditadores latinos, políticos de alto coturno e figuras da sociedade passaram a fazer parte da luta diária do visconde, numa história que se confunde com a do próprio nascimento de um país chamado Brasil.

Leitura altamente recomendável!

E sua trajetória pode ser conhecida com mais detalhes no livro ‘’Mauá: empresário do Império’’ de Jorge Caldeira. – Link para o livro: https://amzn.to/2rSzNeS

Boa leitura!

Adicione um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo está protegido !!
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.