Eu, robô por Isaac Asimov

Eu, Robô conta uma história fantástica, envolvente e emocionante se passa na cidade de Chicago, ano 2035, onde os robôs são uma parte integrante da vida humana. Assim, quando um cientista genial, que trabalha para a U.S. Robotic Corporation, é supostamente assassinado, o detetive Del Spooner de Chicago começa a investigação.

Junto com a Dra. Susan Calvin, especialista de robôs, eles descobrem que um robô pode ser responsável pela morte do cientista. Quanto mais o detetive sabe, mais a sua vida se torna complicada. O tempo está a passar e a situação é cada vez mais perigosa. Mais perigosa para todo o mundo e para a humanidade.

Em uma visão futurista o detetive Del Spooner de início percebe-se que algo o incomoda no meio em que vive: robôs e seres humanos se acotovelam nas ruas daquela cidade como se fora um fato comum. Os robôs se encarregam das chamadas tarefas mais pesadas do dia a dia. São lixeiros, entregadores, trabalhadores domésticos e tantos outros que para os humanos são de menor importância.

Mas, Spooner é um policial que vive atormentado por um trauma recente e isso aumenta sua desconfiança em relação aos robôs. Ele sempre diz que não se pode confiar em robôs. As outras pessoas acham que ele tem uma tese paranoica, uma vez que todos os humanoides, robôs com forma similar à humana saem das linhas de produção da poderosa companhia U.S. Robôs programados com as três leis da robótica:

Primeira Lei: Um robô não pode ferir um ser humano ou, por omissão, permitir que um ser humano seja ferido;

Segunda Lei: Um robô deve obedecer às ordens dadas por seres humanos, exceto se tais ordens entrarem em conflito com a Primeira Lei;

Terceira Lei: Um robô deve proteger sua própria existência, desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira e/ou a Segunda Lei.

Este é o código criado pelo cientista Alfred Lanning que, segundo a garantia da U.S. Robôs e o pensamento geral da população, determina total proteção contra a famosa “síndrome de Frankenstein”, pela qual a criatura tende a voltar-se contra seu criador.

Eu, Robô, é uma obra de contos do escritor russo-americano Isaac Asimov (1920-1992, criador original das chamadas leis da robótica). O livro explora as possibilidades de que um dia os robôs venham a se transformar em uma ameaça à humanidade.

Eu, Robô trabalha seu enredo passando da discussão filosófica sobre a possibilidade de o ser humano criar uma máquina que possa desenvolver inteligência suficiente para tornar-se completamente autônoma para a ação policial.

O livro também trás a humanidade em um dos robôs o que nos envolve e emociona, demonstrando que mesmo uma máquina não tão maquina assim, é claro que a obra cunha o robô mais romanceado, mas leve e com emoções, fazendo-nos desviar um pouco da temática do livro, que é a robótica. O livro é tipo o Titanic, coloca-se uma pitada de romance para amezinar a tragédia. É isso que eu vejo em ambos os episódios.

…Dito isso, a obra é excelente, vale a pena ler!

Adicione um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo está protegido !!
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.