Cabeça de turco por Gunter Wallraff

Este livro é simplesmente maravilhoso, um dos melhores que já tive o prazer de ler. Já deu para perceber que eu gosto muito de investigações jornalistica, amo estes jornalistas investigativos que sempre nos presentam com estas obras magníficas. Cabeça de Turco é uma obra de 1985, escrita pelo jornalista alemão Gunter Wallraff.

O livro é o resultado de dois anos de investigações deste jornalista que nesse período inteiro abandonou sua real identidade para se tornar o turco Ali Sinirlioglu e assim desvendar a discriminação que existia entre os alemães contra os milhares de imigrantes, que viviam naquele país.

Em outra vida, porém sem deixar de ser repórter Wallraff passa a ser o imigrante turco Ali, que vive na Alemanha e que está sujeito a todos os tipos de trabalhos pesados para não ser deportado para o seu país de origem, pelo menos era isso que ele alegava quando procurava empregos nas indústrias e canteiros de obras alemães.

O jornalista estava disposto a fazer parte de uma minoria que vivia na pior em busca de denunciar aquilo que ele já tinha conhecimento, mas nunca vivenciou.

Sarcástico e atraente do início ao fim “Cabeça de Turco” é um livro escrito por um alemão que sem medo denunciou o preconceito que corria dentro dos porões de sua própria sociedade.

Uma das características desta obra é como o autor soube interpretar o papel do robusto Ali que com o uso de uma peruca aparentava ter 26 anos, quando na verdade estava em um corpo de 43 anos de um homem que era calvo. Ele passou por um intenso treinamento para aprender a falar o alemão pronunciado pelos turcos, desrespeitou qualquer concordância verbal.

O escritor passou a ser o principal ator da história que tinha que descrever em detalhes as humilhações que sofria e as que testemunhavam, viverem várias cenas em um único dia e tomar nota de tudo sem se esquecer dos nomes dos humilhadores e das empresas a quais faziam parte.

Após publicar em vários jornais um anuncio sobre um estrangeiro robusto a procura de emprego, disposto ainda a receber pouco. O turco Ali conseguiu trabalho nas principais indústrias dentre as denunciadas no livro estão à Industria August Thyssen Hutte – ATH e um restaurante da rede Mcdonalds, onde o autor descreve que chegava a usar o mesmo pano que limpava o chão do restaurante e dos banheiros na limpeza das mesas.

Humilhações e indiferenças Wallraff começou a sofrer ao circular, na pele de Ali, até em festas dos alemães burgueses e inclusive dentro das religiões das quais tentou fazer parte alegando que era uma forma de não ser deportado para o seu país de origem e teve o batismo católico negado.

O que impressiona no autor é a potencialidade de conseguir descrever tudo e se preocupar com os mínimos detalhes que certamente fazem os leitores se sentirem dentro da história, eu pelo menos me senti fazendo parte da narrativa.

Desde a humilhação de ser encarregado a limpar um banheiro imundo que vivia entupido sujo de urina e fezes em um canteiro de obras, em Dusseldorf até o risco de trabalhar sem máscaras dentro de camarás de gás na Thyssen onde constantemente ocorriam vazamentos, no entanto os imigrantes eram obrigados a continuar na limpeza, como se nada estivesse acontecendo.

Como todo o livro reportagem mais do que tornar público sua experiência o autor contou com o depoimento de pessoas que a mais tempo do que ele viveu este período de exclusão da sociedade alemã. Ainda na Tyssen ele conheceu um alemão de nome turco Yuksel Atasayar, este foi o único que percebeu que Wallraff ali estava para conseguir reverter àquela situação, pois por vezes observava o jornalista em um canto da fabrica fazendo suas anotações durante os curtos intervalos que tinham. Yuksel fazia questão de passar informações importantes sem saber, nem questionar onde e como Wallraff as utilizaria.

O autor também denunciou o tráfico de mão de obra barata que faziam dos turcos e outros imigrantes escravos de uma Alemanha que em 1985 governada por Mikhail Gorbachev, líder da União das Repúblicas Soviéticas Socialistas – URSS caminhava ainda a curtos passos para aquela que em novembro de 1989 seria a reunificação dos seus povos com a queda do muro de Berlim que decretaria ainda o fim da Guerra Fria. O país ao mesmo tempo que se mostrava livre estava preso a um preconceito étnico.

Gunter Wallraff conquistou com “Cabeça de turco” em 1985 o prêmio de literatura de direitos humanos da França. O livro, considerado o melhor pós-guerra, vendeu mais de um milhão de exemplares só na primeira semana de lançamento e proporcionou centenas de processos contra a empresa Thyssen.

Wallraff é autor de outras obras como Fabricas de Mentira (1977) – O falso repórter Hans Esser que entrou para trabalhar no tabloide Bild Zeitung, para mostrar como o veículo distorcia as notícias. Outra obra que se tem conhecimento é A Descoberta de uma Conspiração (1976). Até onde pesquisei o escritor está com 71 anos e não há informações se ele ainda vive na Alemanha ou em outro país.

Nem preciso dizer que altamente recomendável né!

Boa leitura!

Adicione um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo está protegido !!
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.